Procurando a “luz no fim do túnel”

Procurando a “luz no fim do túnel”

Se você é empreendedora já deve ter acontecido de você ter se sentido em alguns momentos no escuro, sozinha, perdida, muitas vezes sem dinheiro e sem tempo, precisando de ajuda e de orientação. Querendo encontrar uma “luz no fim do túnel.”

Lembro de uma vez quando eu estava hospedada a trabalho em um hotel em Londrina, e meu quarto ficava no penúltimo andar do prédio. No último andar tinha uma piscina pequena com umas cadeiras e mesas, um ambiente bem gostoso. Eu tinha chegado do trabalho mas ainda tinha muita coisa pra fazer. Então eu decidi trabalhar mais um pouco nas mesas perto da piscina. Peguei o meu notebook, cadernos, lápis, garrafinha de água e mais um monte de coisas e resolvi subir pela escada, pois era somente um lance de andar.

Logo que eu entrei naquelas portas “corta-fogo” e comecei a subir, a luz apagou. Ficou tudo realmente muito escuro, eu não enxergava absolutamente nada. E onde estava o interruptor? É claro que eu não encontrava. A minha primeira sensação foi de pânico. Eu estava no meio da escada com degraus pra todo lado e eu tinha medo de cair. Fiquei na dúvida se eu voltava ou ia em frente. Me lembro como se fosse hoje da sensação ruim, de estar sozinha, sem saber pra que lado ir, e principalmente, no escuro total. As opções gritar e chorar foram consideradas, mas descartadas rapidamente. Imaginei que seu eu gritasse ninguém ia me ouvir. Sentar no chão e ficar chorando também não ia resolver, embora pudesse ajudar a extravasar e eliminar um pouco a angústia que eu estava sentindo. Eu também não queria derrubar o meu notebook e estava praticamente sem mãos livres. (no melhor estilo mãe de duas meninas, sempre com as mãos ocupadas).

Como eu saí dessa situação?

Respirei fundo e falei pra mim mesma: “calma Adelaide, respire, vá tateando as paredes com cuidado até encontrar o interruptor para acender a luz ou alguma porta”. Tive que deixar algumas coisas no chão, para liberar uma das minhas mãos. Coloquei as mãos na parede, fui caminhando bem devagar, tomando o cuidado de perceber cada degrau embaixo dos meus pés para não me estatelar no chão e piorar as coisas. Finalmente encontrei um interruptor, acendi a luz, respirei aliviada, voltei para buscar minhas coisas e pude seguir o meu caminho rumo à piscina. Foi um susto, e ao mesmo tempo um aprendizado para o resto da minha vida.

Convido você a fazer um exercício de conectar essa minha história com a sua vida pessoal e profissional, com algum projeto ou negócio do seu momento atual.

  • Você se sente no escuro? Fez um planejamento e as pesquisas necessárias, coletando informações sobre o mercado e o seu cliente?
  • Você tem um objetivo claro e consegue enxergar o futuro? Sabe para onde quer ir?
  • Se você por um acaso se sente um pouco em pânico, está optando por andar com mais calma ou está correndo e atropelando tudo? Ou você paralisou e não consegue se mexer?
  • Você tem parceiros para te ajudar a encontrar o caminho ou está tentando fazer tudo sozinha?
  • Você sente que está sobrecarregada de atividades e mesmo assim não quer abrir mão de nada?

Você, como empreendedora, muitas vezes pode se sentir no escuro, sozinha, com medo e sem saber para onde ir.

Como agir nesses casos, para encontrar a tal “luz no fim do túnel?”

Preste atenção no ambiente, tenha consciência e muito cuidado até se sentir novamente no controle da situação.

Faça um bom planejamento

Tenha um objetivo e um motivo, um porquê.

No meu exemplo, o objetivo era “encontrar um interruptor ou uma porta”. Por que? Para ter luz e encontrar a saída daquela escuridão no meio da escada. Simples assim.

Se você tiver um objetivo que faça muito sentido para você, vai conseguir dar foco nas atividades que precisa realizar para conseguir retomar o controle da situação, sem ficar “atirando para todos os lados e com a sensação de não estar resolvendo nada e sem resultados.”

O seu plano pode ser escrito ou pensado, mas você precisa definir algumas estratégias para sair da situação em que se encontra.

Experimente utilizar uma ferramenta simples: 5W1H – O que, Quem, Como, Por que, Quando e Onde.

 

Tenha agilidade

Em situações críticas, atropelar as coisas pode ser ainda pior. Nessas horas tenha em mente que pressa é diferente de agilidade.

Pressa significa precipitação e afobação. Agilidade significa foco e disciplina.

Para retomar a sensação de controle você precisa ter direção e velocidade.

Mesmo que esteja com pressa e ansiosa por ver os resultados, ande devagar. Um passo de cada vez, os pés no chão, com muito cuidado e atenção, seguindo o seu plano de ação.

“Sonhar é bom, mas olhar para o chão é fundamental.”

Encontre bons parceiros 

Não são todas as pessoas que conseguem encontrar um sócio ideal, aquela pessoa que seja a sua “cara metade profissional”. E o fato de você ter uma sociedade não necessariamente significa que você não vai se sentir sozinha. Infelizmente, muitos sócios acabam tirando o corpo fora, fazendo “cara de paisagem”, não cumprindo a sua parte nos acordos e te deixando mais sobrecarregada ainda.

É importante você procurar pessoas de confiança, fazer parcerias e dividir responsabilidades.

Lembre de alinhar expectativas e conversar muito com os seus parceiros no começo e ao longo do processo.

 

As 24 horas do nosso dia tem momentos de luz e escuridão, dia e noite. Precisamos aproveitar cada um desses momentos de forma apropriada para nos tornarmos pessoas produtivas.

Desejo a você muita luz no fim do túnel. 😉