Nosso medo mais profundo – por Marianne Williamson

Nosso medo mais profundo – por Marianne Williamson

“Nosso medo mais profundo não é o de sermos inadequados.
Nosso maior medo é não saber que nós somos poderosos, além do que podemos imaginar.
É a nossa luz, não a nossa escuridão, o que mais nos apavora.

Nós nos perguntamos:
Quem sou eu para ser brilhante, maravilhoso, talentoso e fabuloso?
Na realidade, quem é você para não ser?
Você é filho de Deus.

Você se fazer de pequeno não ajuda o mundo.
Não há nenhuma bondade em você se diminuir, recuar para que os outros não se sintam inseguros ao seu redor.

Todos nós fomos feitos para brilhar, como as crianças brilham.
Nascemos para manifestar a glória de Deus que está dentro de nós.
Não está apenas em um de nós, está em todos nós.

E conforme permitimos nossa própria luz brilhar, inconscientemente damos às outras pessoas, permissão para fazer o mesmo.

E conforme nos libertamos do nosso medo, nossa presença, automaticamente, liberta os outros.”

Mariane Williamson

Gestão do tempo no “novo normal”

Gestão do tempo no “novo normal”

Muito se tem falado sobre o termo “novo normal” durante a pandemia.

Isso me leva a refletir sobre como ser produtivo nesse novo mundo que todos estamos construindo. 

O “novo normal” requer reflexão, postura crítica, parar de tentar encontrar respostas e começar a encontrar perguntas.

Nesse post quero te convidar a fazer algumas reflexões junto comigo. 

Começando por se perguntar: o que é “normal”?

Você tem medo de realizar os seus sonhos?
Adelaide Giacomazzi
Adelaide Giacomazzi

Você tem medo de realizar os seus sonhos?

Sonhar pode ser delicioso, mas transformar os sonhos em realidade envolve um processo muitas vezes lento e delicado, que para ser sustentável precisa ser feito de uma forma consciente, com planejamento e organização.

Quando você faz um planejamento para trazer o seu sonho para “a terra”, iniciando pela definição de um objetivo específico, pode acabar se surpreendendo e ficando com medo dele. Ter a consciência das etapas, ações e investimento (de tempo, dinheiro e energia) necessários pode assustar e levar a um ciclo inconsciente de auto sabotagem e frustrações onde o principal responsável pela não realização do seu sonho acaba sendo você mesmo.

O que é preciso levar “na bagagem” para sair da zona de conforto e não querer voltar para trás no meio do caminho?

Fazendo as pazes com o seu tempo

Fazendo as pazes com o seu tempo

Ano novo, vida nova!!! Quem nunca iniciou um ano querendo começar tudo do zero, deixando pra trás todos os problemas e dificuldades, esquecendo os erros do passado e guardando somente as boas lembranças?

Começamos cada novo ano acreditando que tudo vai ser diferente, querendo e desejando para as pessoas que amamos um lindo ano novo, com felicidade, sucesso, amor, dinheiro, amizades, alegria, paz, esperança, prosperidade, realizações, sabedoria, luz, beleza, saúde e tudo de melhor que a vida pode oferecer.

Mas como fazer com que todos esses desejos se tornem realidade? Como fazer com que as resoluções de ano novo não sejam apenas vontades ou ideias e sim realizações de sonhos? Como colocar tudo isso em prática em um mundo tão acelerado e dinâmico? Como manter a saúde diante de dificuldades financeiras, problemas de relacionamento, crises econômicas e bombardeio de informações que chegam de todos os lugares e em todos os momentos de nossas vidas?

Autoconhecimento – comece pelo seu centro

Autoconhecimento – comece pelo seu centro

O autoconhecimento é muito importante para ter mais autocontrole e lidar melhor com as emoções e sentimentos, conquistando mais qualidade de vida, realização pessoal e profissional. Com mais ações preventivas do que corretivas perde-se menos tempo correndo atrás dos problemas, “apagando incêndios”, resolvendo crises e reagindo aos acontecimentos. Ganha-se maior controle da situação, e a possibilidade de ajustar com muito mais facilidade as rotas do caminho.

Se conhecer melhor diminui a ansiedade e o estresse e aumenta a sensação de controle, autoestima e autoconfiança. A pessoa se sente mais fortalecida, preparada, motivada e organizada para definir e executar os planos de ação, mais segura para ajudar as outras pessoas: familiares, amigos e clientes.

As instruções para procedimentos de emergência nos aviões são claras: primeiro coloque a máscara de oxigênio em você e depois nas crianças e pessoas que precisarem de ajuda. Se você não estiver bem consigo mesmo, como poderá apoiar os outros? Se você não se conhecer, não se entender, não tiver a clareza de seus anseios mais profundos, dúvidas, medos, sentimentos, propósito, como você vai poder conhecer melhor os outros, se relacionar com eles e ajudá-los?

Aprendendo a respeitar o seu tempo
Adelaide Giacomazzi
Adelaide Giacomazzi

Aprendendo a respeitar o seu tempo

Você já ouviu falar que ansiedade é o mal do século? 

Muitas pessoas ficam ansiosas por verem o tempo escapar de suas mãos com uma velocidade que surpreende a cada dia. Quando menos percebemos, o natal já chegou de novo!!! 

Alguns ficam ansiosos porque precisam de respostas rápidas e imediatas para tudo. 

Funcionários de empresas ficam ansiosos por terem prazos praticamente impossíveis de serem alcançados, metas e objetivos ousados e pressão por resultados. 

Empreendedores ficam ansiosos porque querem um retorno o mais rápido possível do tempo e dinheiro investido na implementação de suas ideias e projetos. 

Ansiedade é um estado psíquico de apreensão ou medo provocado pela antecipação de uma situação desagradável ou perigosa. A palavra tem origem no latim anxietas, que significa “angústia”, “ansiedade”, de anxius = “perturbado”, “pouco à vontade”, de anguere = “apertar”, “sufocar”.

Aprender a respeitar o tempo é uma das formas de controlar a ansiedade. 

Lidando com julgamentos na jornada empreendedora

Lidando com julgamentos na jornada empreendedora

Se você está iniciando (ou pretende iniciar) a sua jornada empreendedora precisa estar consciente de que, além dos desafios, dificuldades e imprevistos, vai precisar lidar com uma questão muito delicada: o julgamento.

Julgar é avaliar, emitir opinião, pensar ou supor alguma coisa. Na nossa sociedade, o julgamento não é somente feito por juízes. Todas as pessoas fazem julgamentos, de uma forma ou positiva ou negativa, de forma consciente ou inconsciente. Você pode julgar ou ser julgada pela sua aparência física, pelas suas opiniões, pela sua situação financeira e também pelo seu silêncio.

O primeiro tipo e talvez o mais complicado para se lidar é o autojulgamento: o julgamento sobre a sua própria capacidade de conseguir realizar todas as ações que você pretende na velocidade que você deseja e conquistando o merecido retorno do seu investimento em tempo e dinheiro. Você vai ter que aprender a construir um mindset de crescimento, desenvolver novas habilidades e competências, mudar hábitos e, principalmente, tentar controlar a sua ansiedade e a cobrança por resultados rápidos.

Um dos pensamentos comuns de pessoas que deixam o mundo corporativo e resolvem  empreender é: “eu vou ser o meu próprio patrão e trabalhar menos.” Só que na vida empreendedora menos pode ser mais.